Dor



De certo modo, essa sensação chamada “dor” permeia todas as demais causas e consequências do suicídio que aqui estão sendo relatadas, mas apesar disso merece que procuremos meditar um pouco mais a fundo sobre ela.
A dor, seja física ou emocional, é sempre dor. Difícil é dimensionar a dor do outro e, em alguns casos, a de si próprio, pois que como costumamos dizer: “a pior dor que existe é aquela que se está sentindo”. Por isso, todo cuidado é pouco para se tratar essa universal e desagradável experiência humana.
Mas uma coisa não pode ser esquecida nesta análise: a intensidade da dor.
A percepção individual de cada um é muito variada, pois o que para um é uma dor superlativa para outro não passa de um simples arranhão. Tudo vai mesmo da forma como cada qual percebe o mundo à sua volta e de como é e sente a sua realidade interior. “Toda dor vem do desejo de não se sentir dor” asseverava o poeta.
Talvez seja por isso que alguns procuram distinguir as palavras: dor e sofrimento. Para estes dor seria a sensação desagradável, e sofrimento a intensidade que cada qual percebe e reage à referida sensação. Ou seja, a dor é comum, mas o sofrimento é particular, quase uma escolha. Contudo, preferimos ficar apenas com o termo dor, pois como já dissemos acima: dor é sempre dor.
Alguém já disse alhures que todos nós somos programados para sermos felizes. É da nossa natureza a busca da felicidade. Fazendo uma análise mais racional da realidade percebemos que toda busca tem necessariamente três elementos básicos: destino, vontade e meio. Destino é a felicidade em si; vontade é a concordância interna e o combustível que leva a tal destino; e o meio é como se chegará a ele, no qual se incluem quase sempre os obstáculos naturais do caminho.
A dor é, vida de regra, efeito de alguma escolha equivocada na busca da felicidade, mas ao mesmo tempo também é meio – não o único, mas meio – para se atingir essa mesma felicidade, mas agora em um nível superior proporcionado pela experiência trazida por ela mesma.
Pode-se perguntar: como é possível a dor combinar com felicidade? Ora, responderemos que da mesma forma que o fogo, na medida certa, combina com o cozimento de uma boa comida. Também podemos considerar o fato de que em muitos casos o sucesso em qualquer área, inclusive a espiritual, só vem depois de certas disciplinas bem desagradáveis.
Ninguém busca a dor, mas há circunstâncias em que ela nos é imposta pela vida, sem alternativa, pelo menos a curto prazo. E é nesse momento que devemos vê-la como meio. Meio de evolução, de aprendizado, de teste de nossas fibras e de vivência do autoamor.
Toda dor passa, mas nós não. Decepção, frustração, perda, separação, luto, culpa, arrependimento, insucesso, medo, solidão, tédio, doença, depressão, etc., são fogos-fátuos, ou seja, têm efeito passageiro no espírito imortal que todos nós somos.
Assim como o um incêndio requer água, toda doença, física ou da alma, pede remédio; assim como toda dor pede alívio e cura. E como já está muito bem relatado neste blog pelos espíritos, o suicídio só gera mais dor ao invés de aliviá-la (clique aqui e veja um triste exemplo).
Por isso se uma recomendação pode ser feita neste assunto é: trabalhe a aceitação da sua dor, fazendo uso da fé, da compreensão e da esperança. Mas aceite, não aceitando. Queremos dizer com isso é que só se aceita dor enquanto ela não pode ser mudada. Esta aceitação deve ser uma aceitação ativa e não passiva. Ativa na busca incessante da solução: seja física, seja emocional, seja espiritual, seja social, seja familiar ou sejam todas  juntas e o mais que se apresentar de necessário e principalmente de salutar para o espírito imortal.
Por fim, confiar em Deus e no futuro que ele nos reserva é medida também altamente recomendável quando diante da dor, uma vez que a solução há de chegar mais tempo ou menos tempo e não há mal que eternamente dure.

Para acessar postagem principal: [clique aqui].



Nenhum comentário:

Postar um comentário